09/08/16

Quanto vale não ser o primeiro?



Segundo o filósofo Immanuel Kant a mentira é inadmissível e torna o Homem indigno.

Como em tudo ou quase tudo nesta vida, esta linha de pensamento não é consensual e há filósofos que aceitam a ética da mentira.

A mim esta linha de raciocínio de Kant agrada e penso que aplica-se lindamente à situação que ocorreu em Dezembro de 2012, quando, numa corrida em Navarra, Espanha, o corredor queniano Abel Mutai liderava a prova e, a poucos metros da linha de chegada, confundiu-se com a sinalização e deu a corrida por terminada, diminuindo o ritmo e sem se preocupar com a aproximação do espanhol Ivan Fernandez Anaya.
Foi quando o corredor espanhol, que poderia, simplesmente, ter acelerado e terminado a prova em primeiro lugar, surpreendeu o mundo ao chamar a atenção do queniano, a gritar-lhe, avisando-o do lapso e a empurrar o atarantado atleta para a frente, para que cruzasse a meta à sua frente.
Por quê? perguntaram-lhe.
E Ivan Fernandez Anaya respondeu:
"Ele ia ganhar. Eu não merecia vencer".

Se ultrapassasse a meta em primeiro lugar, sua vitória seria uma mentira.
Isto é honestidade, ética, verdade.





O filósofo Mário Sérgio Cortella define ética como sendo “um conjunto de valores e princípios usados pelos indivíduos para a decisão de três grandes questões inerentes à vida, que são: quero, devo e posso”.

Todos sabemos, desde tenra idade e, ensinamos também a nossos filhos que as coisas à nossa volta se dividem em três grandes grupos:
  • o que eu quero e posso;
  • o que eu quero mas não posso;
  • o que eu posso mas não quero.
Daí, uma das primeiras frases de ensinamento que a criatura ouve é:

“não pegarás o que não te pertence”     queres mas não podes.


A expectativa de obter o objecto de desejo poderá gerar uma série de conflitos interiores.

A opção é tomada tendo em consideração os princípios pelos quais o indivíduo rege as suas atitudes: a ética.
Se tiver como princípio ético “ não pegar no que não lhe pertence”, com certeza não o fará.


Mas... e se o indivíduo se reger por outros princípios?


Os seus princípios não vão de encontro àqueles que regem a maioria dos indivíduos. Segundo o filósofo Cortella não há ninguém sem ética, o que há é “uma ética contrária à nossa”.


Aliás, também é sua a definição bem despretensiosa, apresentada no livro “Ética e vergonha na cara”, editado em parceria com Clóvis de Barros Filho (professor especializado em Ética, advogado e jornalista):

“ética tem a ver com vergonha na cara, com decência”.


E esta, hein?

Ou seja, há criaturas a quem a falta de vergonha não afecta o passo,
              não tira o sono
                                    nem acrescenta rugas.
Simples assim.


E há as que acreditam em Clóvis de Barros Filho quando diz:

“Ser ético exercita o espírito”.



Ao ver este vídeo, não pude deixar de lembrar de alguns de nossos jovens que gostam de alegar que  
"fazem/usam/querem ...  porque toda a gente faz/ usa/quer."


Mas, para além de nós, pais e educadores, o filósofo Cortella também assevera que:
"Não é porque o outro faz que eu tenho que fazê-lo do mesmo modo.



42 comentários:

A Casa Madeira disse...

Oi Carmem belíssimo post; que pena que aqueles que realmente
precisam ler e refletir por muitas vezes não curte esse tipo de leitura
mas sempre fica a dica para os pais, tios e educadores... já me debati muito
sobre esse tema até pq minha outra paixão é filosofia. Mas é sempre bom
relembrar certos princípios, no fundo o meio tbm envenena...
A minha história com a natureza foi essa: De tanto escutar verdades;
resolvi plantar flores acho que já tinha de dito isso.

Todo o dia aqui no Brasil é uma história mais horripilante que a outra...
Isso já vem desde o Brasil colônia; agora que a ética, moral e etc, vem sendo
mais arrolada em todos os sentidos.
Um povo que não sabe definir as suas prioridades: Agora se fala em Olimpíadas. Respira-se olimpíadas.
E pelo jeito por aqui ética nunca foi e nunca será prioridades.
Abraços.

Crocheteando...momentos! disse...

Ora aqui está um belo texto sibre o qual importa refletir!
Gostei...bj

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Oportuno Post no tempo que passa por nós a cada hora.
A VERDADE e a dignidade da personalidade humana são pedras da mesma construção. Se uma cai, todo o "edifício" se desmorona.
...E tantas ruínas com "caras" de edifícios nobres se plantam diante de nós!...
Parabéns, Amiga. Tudo perfeito. Apenas se deseja que os olhos e ouvidos se alertem para a seriedade.
Bem hajas.


Beijo
SOL

✿ chica disse...

Lindo, reflexivo e verdadeiro teu post. Não adianta só ganhar, temos que saber o que fizemos pra tanto! Há cada uma!!! Gostei muito! bjs, chica

Maria Gloria D'Amico disse...

O tema aqui apresentado é uma excelência, Carmem, parabéns!
E muito bem apresentado, diga-se!
Outro ponto, senão o mais importante, é a questão do nossos jovens. Esta é um parte que eu receio, sabe? Aqui está o futuro. No Brasil dá medo, então! Quando penso do que eles são nutridos pelos olhos, ouvidos, mente, alma, fico aterrorizada. Até a letra das músicas choca... o que dizer?
Gostei imenso do seu post, li e reli.
Mais um beijos para dias felizes.

Elvira Carvalho disse...

Excelente texto, que nos reporta para uma reflexão sobre tanta coisa que vemos ouvimos e lemos.
Um abraço

Cristiane Marino - Mulheres em Círculo disse...

Olá Carmen, que belo post!
Sim, ética está em falta em nosso mundo, precisamos chamar a atenção para isso. E dar exemplo em nosso cotidiano.
Este exemplo do atleta espanhol é simplesmente maravilhoso!
Bjs

RECOMENZAR disse...

Un placer intenso siempre es el leerte

Teté disse...

Daí aquela pergunta que se faz aos miúdos pequenos: Então e se os outros se atirarem a um poço, também vais atrás?

Mas sim, acredito que há muita gente com éticas diferentes da nossa, que mesmo "padronizada", nem sempre é igual... Ou então como existiriam tantos ladrões, assassinos e outros que tais? São todos loucos? Não creio...

Beijinhos

Marisa Giglio disse...

Carmen , seus posts são sempre para aplausos . Muito bom tudo que li . Agradeço sua partilha . Só nos faz crescer . Beijos

Ivone disse...

Amiga Carmem, aqui se lê e se pensa, isso é tudo de bom, amo isso!
Acredito que é caso de princípios, quando somos verdadeiramente educados e nossos pais nos dando exemplos é que se segue a vida com ética!
Amei ler aqui, as glórias nem sempre são aos que chegam na frente, bela lição, tanto que foi mostrada, sendo assim aplaudo o vencedor e o que se colocou no devido lugar por honra e ética!
Abraços apertados linda amiga!

Arco-Íris de Frida disse...

Nao acredito que exista uma etica contraria a nossa... o certo é certo e o errado é errado... e que se faça o certo...

Beijos, Carmem...

Tais Luso disse...

Ótimo, gosto muito desse filósofo. E exatamente sobre isso que na semana passada, aqui em casa, conversando com amigos e parentes sobre a enorme corrupção, essa mega, hiper e vergonhosa corrupção que os políticos fazem. Uma das parentes disse: mas todos roubam!! Disse como se fosse motivo para todos roubarem. Logicamente isso não é saída; se muitos roubam, não quer dizer que todos roubam, e não podemos nos guiar pelos ladrões. É o que o Mario Sergio disse, parece que a maioria ou a totalidade age de uma maneira só.

beijo, querida, deixei uma resposta pra teu lúcido e sensível comentário no meu rincão!

Tais Luso disse...

Esqueci de comentar sobre o vídeo... sabe, Carmem, há muito tempo que não assisto competições, e só por um motivo: a agressividade nos esportes está crescendo demais, dia após dia. Para alguém vencer, o outro precisa se finar, se destroçar. Se acabar. O esporte antes, tido como educativo, como algo disciplinador, agora virou guerra. Esse vídeo é uma demonstração rara de ética, de moral. Que bom ter visto...
beijo!

Nadja disse...

Querida Carmem,

Belo e oportuno texto, amiga!
Nós brasileiros, caminhamos em um mar de lama cuja profundidade não se sabe ainda qual é.
A falta de caráter atingiu pessoas que até então eram confiáveis e respeitadas no meio que circulavam.
Penso, o que levou essas criaturas a envolver-se na lama?
O dinheiro, o poder, seja lá o que for, é como se fosse uma doença contagiosa que levou muita gente a ficar infectada pelo "vírus da falta de ética".
Às penso longe e chego à conclusão que, a humanidade vem sendo monitorada à distância por seres que desejam sua destruição moral a qualquer preço.
Não sou céptica, acredito em muitas coisas e duvido de outras também.
Mas é fato que a humanidade está estranha, não acha?
Basta ver o efeito "caçando Pokémon" por aí...

Bjks



Simone Felic disse...

Olá Carmen
Sinto que o mundo está faltando ética e palavra,
é triste viver em uma geração que a mentira é uma máxima,
profissionais que não tem ética alguma, mas o poder os deixa
a merce de fazer o que querem.
bjs


http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

Patricia Merella disse...

Fantástico post Carmem.Acredito que a etica,justiça e educação tem que caminhar juntos.Se colocar no lado do outro, ser justo com o outro e ser gentil com o outro.Não acredito em éticas contraditórias, ética é ética. Beijinhos

graça Alves disse...

Uma maravilha estes pensadores.
Adorei ler!
beijinhos

lenalima disse...

Em quem confiar nesse mar de lama que se apoderou do País.
Tenho a impressão que uma laranja podre anda contaminando todos!
E falta impunidade!


bj

Anajá Schmitz disse...

Que linda história. Emocionante. Isso é uma pessoa de valor. Adoro esse cara. Ele fala coisas maravilhosas.
Bjos
Tenha uma ótimo fim de semana.

Lilazdavioleta disse...

O acontecimento que originou este excelente " debate " , prende-se , quanto a mim com eu quero mas não posso . E não posso porque aquilo a chamo consciência diz -me que não . Diz -me para ser correto , e aqui entra a tão falada ética .
Aquilo que vem cravado em nós , quando nascemos ... o Bem e o Mal , e que ao longo da vida vamos distorcendo , justificando , e deixando de ter , muitas vezes . A " tal vergonha na cara " desaparece tanta vez .

Este atleta além de saber o que é o bem , deve ser um puro de coração . Aquilo a que chamo um " limpo " . Pode , até , não saber o que é a ética , a filosofia e seus filósofos ,mas sabe , sente , o que é ocorrecto .


Muito obrigada pela partilha .

Forte abraço ,
Maria

Anne Lieri disse...

Carmen, que excelente texto e reflexão! De fato não há valor, nem prazer em ganhar se não existir merecimento. Afinal, o maior prazer é se preparar para vencer e a vitória só tem um gôsto bom quando há esforço e real competição. Adorei sua postagem! bjs,

Manuel Veiga disse...

é um excelente texto, que me deu gosto ler.
bem como alguns comentários, que muito aprecio.

grato pela presença amiga no meu blog

abraço

As Mulheres 4estacoes disse...

Olá Carmen,
Que ótimo post, se faz tão necessário analisar se vivemos com ética, se agimos com o outro como gostaríamos que ele agisse conosco.
Pena constatar que muitos valores hoje estão desuso.
Um abraço
Sônia

Clau disse...

Oi Carmem,
Texto muito profundo e reflexivo...
Gosto da linha de raciocínio do filósofo Cortella.
Está em falta pessoas com 'vergonha na cara e decência',
já pensou se existissem mais pessoas como
o corredor espanhol Ivan Fernandez Anaya?!
Bela postagem...
Beijos!

Ana Paula disse...

Carmem querida, antes de vir aqui, passei por uma praia que você me indicou há um tempo, onde você estendeu um varal! Um encanto, o lugar, o sol se pondo, os moinhos...

Um exemplo lindo com o qual você abre este post e penso, vejo, o mundo, o meu país, tão carente dessa verdade.
Mas não só descréditos. Muita sujeira e mentiras têm vindo à tona. Filósofos e pensadores estão "em alta" na mídia e isso faz-nos refletir cada vez mais. Penso ser boa semente plantada.
Um beijo!

Janita disse...

Respondendo à pergunta que serve de título deste excelente post reflexivo, eu diria que - no caso que nos relatas e mostras em vídeo, sobre a chegada à meta dos dois atletas - não chegar em primeiro lugar, vale a paz de consciência e o orgulho por se ter procedido com a ética e a honestidade que a ocasião merecia.
Grande exemplo de desportivismo e de carácter. Não conhecia o caso e fiquei emocionada, ao ler.
Eu faria o mesmo.
Que sabor tem uma vitória alicerçada na mentira?

Um beijinho, Carmem.
Obrigada.

Ghost e Bindi disse...

Boa noite Carmem!
Nesse seu texto tão bem colocado e inteligente, colocas o cerne de uma questão que já vem de muitas eras, sobre o bem e o mal, o certo e o errado. Do imperativo categórico às proposições de Maquiavel, a ética parece executar uma corrida de obstáculos olímpica a cada era da humanidade.
Como cristã, acredito no não fazer-se ao outro o que não se quer para si mesmo, mas também no livre arbítrio, pois sem ele, faríamos o certo por obrigação. E acho que só conhecemos realmente se é ética uma pessoa, como no caso do atleta que mencionas, quando fazer o que é certo lhe traz algum prejuízo.
Também acho que a maioria das pessoas é correta e trabalhadora, sendo uma minoria que realmente consegue prejudicar a muitos em suas distorcidas ações corruptas...mas como dizia Bonaparte, dez pessoas gritando fazem mais barulho que dez mil em silêncio.
Desejo uma linda e proveitosa semana!
Abraço com carinho
B&G

Emília Pinto disse...

Penso Carmen que a maioria das pessoas justifica a falta de ética com o " mas toda a gente faz assim" e aí temos a tal da " normose", o que deveria ser considerado anormal vira normal, o" limpo " como diz a nossa amiga Maria passa a ser um estranho, um anormal, um " demodé". E quantas vezes nos vemos a desconfiar de uma pessoa só porque tem atitudes corretas? Dizemos: " mas será verdade...o que virá a sguir...o que quererá com este comportamento? Estamos tão habituados à mentira, à falta de ética, que nos custa a aceitar que, felizmente existem pessoas boas, carinhosas, correctas. Quando passei três meses no Brasil por causa dos meus pais, tivemos que arranjar mais uma empregada Conseguimos uma senhora nova ( por volta dos 35, mas já é mãe de três filhos) que sabia costurar, fazer a unha, cozinhar muito bem, fazer e confeitar bolos e ainda por cima tratar da hortinha da minha mãe. Além de tudo isto era uma meiguice . O meu irmão disse-me: " será que isto tudo é verdade? Não será grande demais a esmola? Eu respodi-lhe: " Não podemos pensar assim...ela é boa mesmo, vais ver. E assim foi. Está lá até hoje , Trata da horta, arraja as unhas aos dois e ainda borda e costura. Carmen, adorei este teu post que nos leva a uma grande reflexão, Há muita falta de ética, muita mentira, muita desonestidade, mas há ainda gente muito boa e devemos continuar a acreditar nas pessoas, não tirando conclusões precipitadas. Um beijinho, amiga e tudo de bom. Obrigada!
Emilia

Graça Pires disse...

Que gosto ler tudo por aqui. Também gostei muito da atitude do corredor espanhol. Não é fácil proceder assim com ética. Essa ética que começa a estar muito longe dos procedimentos habituais, é realmente um exercício para o espírito... Um excelente post, amiga.
Beijos.

Luis Filipe Gomes disse...

Aberta está a reflexão sobre a possibilidade da convivência da competição com a cooperação, da rivalidade com a fraternidade.
Lembrei-me de Vanderlei Lima que foi impedido de ganhar a maratona dos olímpicos de Atenas de 2004 por ter sido agarrado por um boicotador irlandês. Vanderlei mesmo assim ganhou a medalha de bronze. Mas o que ficou até hoje na minha memória foi a sua continuada alegria ao cortar a meta sem sinal de amargura ou ressentimento. Vanderlei e Ivan Anaya são para mim faróis que me guiam no mar agitado desta noite escura.
Abraço Carmem.

Bia Hain disse...

Olá, Carmem, como vai? Gostei muito de sua reflexão! E que lindo exemplo tivemos dos competidores! Me fez um lembrar um filme que assisti ontem chamado O Voo, onde o artista principal poderia ter se salvado da condenação em um tribunal colocando uma atitude errada sua nas costas de outra pessoa que já havia morrido, mas escolheu falar a verdade, porque nada paga uma consciência tranquila.
Gosto muito das reflexões de Cortella, vão sempre direto ao ponto!
Abraços!

O meu pensamento viaja disse...

Carmem, gostei imenso do teu texto e li-o com todo o interesse, acompanhando o teu raciocínio.
Felizmente que há muita gente igual a esse corredor, gente com ética! Não me agrada a perspetiva pessimista que apregoa que, na atualidade, vale tudo. Não, não vale e alegra-me perceber que estou longe de estar sozinha nesta posição.
Beijo

São disse...

Excelente matéria a de hoje.

Concordo com Kant e embora perceba o fundamento da "mentira piedosa" prefiro sempre que me digam a verdade.

O atleta espanhol merece ser aplaudido de pé pela honestidade.

A única coisa que não perdoo é a mentira, até porque a consequência é a quebra total de confiança na pessoa que mente, até retroactivamente.

Bom resto de semana :)

Pedro Luso disse...

Olá Carmem.
Gostei muito de seu texto. Concordo com Kant e com você, no que diz respeito à mentira. Aprendi desde cedo que a verdade torna o caminho mais curto e menos cansativo. Belo exemplo esse que foi legado pelo corredor. Parabéns.
Um ótima semana.
Abraço.
Pedro.

Isabel disse...

Gostei muito do post.

Se todos procedessem como este desportista, com correcção, o mundo era melhor. Mas as pessoas contentam-se em ser medíocres. Ele poderia ter chegado em primeiro lugar, subir ao pódio e receber a medalha de ouro, mas tudo isso não fazia dele o melhor, porque o melhor era o colega.
E ele preferiu a verdade.

Penso que teria feito o mesmo.

Beijinhos e continuação de boa semana:)

Odete Ferreira disse...

Excelência na escolha temática, assim como no seu encadeamento. Os comentários que li já tocam as várias vertentes que gerem a temática, visto ser o cerne da conduta humana. Para mim, há uma ética para os vários domínios da ação humana, tais como a pessoal, a profissional, a social, a pública. Infelizmente, o que mais se verifica são os atropelos e predomina o salve-se quem puder. Por vezes, quem mais enche a boca de ética são os que menos a praticam.
BJ, amiga :)

Maria Gloria D'Amico disse...

Olá querida Carmem, trouxe um carinho e um beijinho.
Dias sempre felizes.

Anete disse...

Texto muito bom, mensagem ótima!
Gosto muito do Cortella. Também do livro "Quem é Você Quando Ninguém Está Olhando?"/Bill Hybels.

Um abraço e bom fim de semana...

Cidália Ferreira disse...

Gostei do texto e do blogue.

Beijinhos e bom fim de semana.
Caso queira visitar.

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Patricia Merella disse...

Uma Feliz semana para si querida Carmem, beijinhos

Marieta Mello Koerig disse...


Querida Carmem,
Parabéns por tão belo e oportuno post,o qual estamos vivendo a cada momento. Acho que a juventude teria que ser alertada para que não perca a sua dignidade e se torne a causa de tantas ruínas.
Na idade em que me encontro procuro recordar alguma passagem semelhante aos horrores noticiados diariamente, mas não encontro nenhuma. Acho que a evolução foi muito rápida, desordenada e absurda levando os jovens a agirem aleatoriamente.
Bem, agora quero te comunicar que tornei a postar apos quase 6 meses de silêncio, mas foram tantos os motivos que tomariam muito tempo para os expor. Espero que me compreendas. Mas dá um chego lá e manda teu recado, que ficarei muito feliz e agradecida.Um abraço e um beijo da amiga que a estima.